Photo Show Rio de Janeiro & Niterói

~ Rio é a 1ª cidade eleita Patrimônio Cultural da Humanidade ~

O Rio de Janeiro – conhecido como cidade maravilhosa por suas praias, clima e beleza natural, entre as montanhas e o mar – foi declarado neste domingo Patrimônio Mundial, na categoria paisagem cultural urbana, durante uma reunião em São Petersburgo (Rússia). Esta é a primeira cidade do planeta a ser incluída na lista. O conceito de paisagem cultural foi criado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em 1992.

Os famosos símbolos de cartão postal da cidade, como o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor, o calçadão de Copacabana ou deslumbrante vista da Baía de Guanabara, foram apresentados como argumentos pelo Brasil. Durante a apresentação, o comitê técnico da candidatura do Rio na Unesco defendeu as “paisagens cariocas entre a montanha e o mar”. Na apresentação, o Rio de Janeiro foi mostrado como uma cidade onde a paisagem urbana se funde com uma natureza exuberante que dá origem a “uma cultura de rua”, com grandes espaços abertos, parques públicos, jardins e orla que são parte da vida cotidiana dos cariocas.

O governo do Brasil celebrou a decisão da Unesco, mas admitiu que ainda existem desafios importantes na cidade, afirmou a ministra da Cultura, Anna de Hollanda. “Não foi um processo fácil, foram nove anos levantando informações”, afirmou a ministra de São Petersburgo. “Nosso projeto estava muito completo e bem argumentado. O Rio tem todas as características para ser patrimônio da humanidade: a mescla do urbano com a natureza, uma topografia que condiciona a vida do carioca que tem esta relação intensa com o mar e o morro”, completou. A ministra destacou o compromisso de resgatar a Baía de Guanabara, acabando com a poluição.

Destaques — Definida pelo Pão de Açúcar em um extremo e o Morro do Pico no outro, em Niterói, a Baía de Guanabara é considerada o berço do Rio de Janeiro e atravessa bairros tradicionais, como Botafogo e Flamengo. A baía foi o primeiro ponto da cidade identificado pelos exploradores portugueses em 1502, quando acreditavam ter descoberto um rio. Outro ícone da cidade, que recebe milhares de turistas a cada ano, é a estátua do Cristo Redentor, também muito mencionado pela delegação brasileira em São Petersburgo, a antiga capital imperial russa que recebe a reunião da Unesco.

Outros locais apresentados foram a Floresta da Tijuca, que abriga uma rica biodiversidade com espécies em perigo de extinção e que foi nomeada Reserva Mundial da Biosfera, a Pedra da Gávea e o Jardim Botânico, criado em 1808. A praia de Copacabana, com seu famoso calçadão de pedras portuguesas, e Ipanema, que inspirou o surgimento da bossa nova, também foram lembrados. Destino turístico por excelência, a cidade maravilhosa também é famosa por seu carnaval, que todos os anos atrai milhares de pessoas para suas ruas em fevereiro.

Além do Rio de Janeiro, o Brasil tem outros 18 bens culturais e naturais, incluindo o o desenvolvimento urbanístico de Brasília, o centro histórico de Salvador, o Pantanal de Mato Grosso e as reservas de Mata Atlântica e do Cerrado.

(Com agência France-Presse/Veja online/Rede Globo)

~ Rio de Janeiro ~

Cidade cosmopolita, capital do Brasil por quase 200 anos, o Rio de Janeiro é um dos principais polos de cultura do país, com seus inúmeros cinemas, teatros, museus, salas de concerto, casas de show, galerias de arte e bibliotecas. Grande polo gastronômico, os restaurantes da cidade oferecem inúmeras opções, da cozinha internacional a pratos típicos de todas as regiões do Brasil.

Poucas cidades no mundo conseguem reunir, de forma tão despojada, todos os pequenos ícones que fazem da vida uma festa: praia, sol, samba, cerveja gelada, boa comida, futebol, gente bonita, ruas de curvas leves que desembocam em pequenas florestas tropicais.

O Rio de Janeiro é pura modernidade, e é também um reencontro cotidiano com o passado. O barroco de igrejas e mosteiros, o art-decó de fachadas residenciais bastante preservadas, a arquitetura modernista dos anos 50, tudo isso faz do Rio testemunha de sua própria história.

O Rio é uma cidade que ecoa, que vibra. Com o batuque dos surdos, tamborins, pandeiros e cuícas, que marcam o compasso do Carnaval. Com a explosão de um gol no estádio do Maracanã, onde 170 mil pessoas torcem pela vitória dos times de futebol. Com a arrebentação das ondas nas pedras e com os estampidos coloridos da queima de fogos na virada do ano. O Rio pulsa em permanente celebração à vida.

– Não se pode deixar de fazer

Ir à praia no Rio é mais do que abandonar-se na areia e desfrutar do mar. É caminhar, andar de bicicleta, encontrar os amigos, olhar o pôr do sol, apreciar o movimento no calçadão, beber uma água de coco ou uma cerveja bem gelada e esperar anoitecer.

Passear no Jardim Botânico, fazer caminhadas à sombra das aleias de palmeiras, respirando o ar puro e a paz das alamedas é um dos programas mais indicados para fugir do calor.

Dar uma volta a pé ou de bicicleta, pela orla da Lagoa Rodrigo de Freitas, magnífico espelho d’água cercado de montanhas, que conta com uma equipada área de lazer e quiosques onde se pode comer e beber bem.

Fazer compras nos melhores shoppings da Zona Sul da cidade e entender por que o Rio de Janeiro é uma cidade que dita moda.

Ver a cidade do alto do Corcovado, onde está o Cristo, de braços abertos sobre a baía da Guanabara. Chega-se ao mirante de carro ou em um trenzinho turístico, que sobe o morro cortando a floresta.

Visitar a cidade no Carnaval e assistir ao que é chamado “o maior show da terra”, o desfile das escolas de samba no Sambódromo. É um espetáculo de cores, música e ritmo inesquecível e envolvente.

Passar o reveillon em Copacabana e participar de uma das mais belas festas coletivas do Rio. A população, vestida de branco, ocupa toda a orla e, à meia-noite, inicia-se um espetáculo de queima de fogos que leva a multidão ao delírio.

– Passeios

Floresta da Tijuca, bem próxima à Zona Sul, é uma floresta tropical com toda a sua exuberância, cachoeiras e cascatas, dentro da área urbana.

Pão de Açúcar, outro cartão-postal do Rio de Janeiro, é um morro que fica na entrada da baía de Guanabara. Chega-se lá por um bondinho teleférico panorâmico, que oferece uma das mais belas vistas da cidade.

Museu de Arte Contemporânea, projetado por Oscar Niemeyer, em Niterói, que fica do outro lado da baía de Guanabara. Chega-se a Niterói por barcas que saem a todo instante do centro do Rio.

Petrópolis, cidade da Região Serrana, distante 100 quilômetros do Rio de Janeiro, antigo local de descanso e deleite da família real, pelo seu clima agradável e maravilhosas paisagens. Um passeio a Petrópolis sempre inclui uma visita ao polo de confecções em malha e uma boa refeição nos excelentes restaurantes internacionais da cidade.

– No Rio, praias para todos os tipos e gostos

Vale lembrar que as condições da água são medidas constantemente e, por isso, podem variar. Recomenda-se não entrar nas praias até 24 horas após as chuvas.

Arpoador: Com 500 metros de extensão, este é o primeiro trecho da praia de Ipanema. Ali é possível encontrar areias claras. Suas ondas são fortes e muito procuradas pelos surfistas, inclusive à noite, sendo uma das poucas praias do Brasil com iluminação.

Barra de Guaratiba: Normalmente, as águas não estão liberadas para banho, mas quem chegar em Guaratiba não pode deixar de provar a comida caseira servida nos vários restaurantes e bares.

Outra opção é caminhar até as quatro praias desertas e paradisíacas que ficam ao Norte: Perigosinho, Meio, Funda e Inferno.

Barra da Tijuca: A Barra da Tijuca é a mais extensa praia do Rio, com 18 km de areias finas e claras. Seis quilômetros desta praia são urbanizados com diversos serviços e o restante da praia é quase deserto, com águas mais limpas. As ondas são fortes e muito boas para a prática do surfe e do bodyboarding.

Botafogo: Não entre nestas águas. Elas estão sempre sujas, mas é o local ideal para esportes à vela. Não é à toa que lá fica a sede do Iate Clube do Rio de Janeiro. Outra boa opção por ali é dar um passeio de bicicleta pela ciclovia e admirar a bela paisagem.

Copacabana: Suas ondas são fortes e muito procuradas pelos surfistas, inclusive à noite, contando com iluminação. Tem uma faixa larga de areia que se estende da Avenida Princesa Isabel até o Forte de Copacabana. Boa opção para esportes, com campos de futebol, vôlei e futevôlei. O calçadão projetado por Burle Marx é uma das marcas registradas da praia.

Flamengo: É outra praia que tem água suja e não é recomendada ao banho. Vale também redobrar a atenção com os pequenos furtos. A praia tem cerca de 1 km de extensão, é a mais próxima do centro. O acesso se dá pelo Parque do Flamengo, área de 1.200.000 de metros quadrados, com quadras de esportes, gramados e áreas de lazer.

Grumari: É um dos locais mais procurados pelos surfistas. Declarada Área de Proteção Ambiental em 1987, a praia mantém até hoje o seu aspecto, com muito verde e águas claras.

A paisagem é formada por morros cobertos com vegetação de restinga e o acesso é feito pela estrada de asfalto que liga a Prainha à Barra de Guaratiba pela orla marítima.Tem aproximadamente 4 km de extensão e é uma das mais belas praias do Rio de Janeiro.

Ipanema: Internacionalizada pela música de Vinícius de Moraes e Tom Jobim, esta é uma das praias mais famosas do Rio. Tem aproximadamente 2 km de extensão, urbanizada e com toda infraestrutura turística, contando com ótimos hotéis e restaurantes, postos de salva-vidas, sanitários e chuveiros. A praia é uma larga faixa de areia branca, com inúmeras quadras e aparelhos para ginástica.

Na Avenida Vieira Souto fica a ciclovia que estende-se por toda a praia, e o calçadão onde muita gente faz cooper ou passeia à beira-mar.

Leblon: Normalmente, os moradores do bairro se reúnem por ali. É menor do que Ipanema, da qual é separada pelo canal do Jardim de Alá. A praia tem aproximadamente 1,3 km de extensão, terminando na encosta do Morro Dois Irmãos, onde deságua o canal da Rua Visconde de Albuquerque.

Praia do Leblon

Muito urbanizada, as águas em alguns pontos são impróprias para o banho, mesmo assim é comum ver surfistas. Na orla tem uma ciclovia que vai até o Leme, onde muita gente que faz cooper costuma ser atropelada pelas bicicletas.

Leme: Na maior parte do ano, a praia do Leme está liberada para o banho. No costão, ao pé do morro, há o disputado “Caminho do Pescador”, onde se pratica a pesca de arremesso. Dali também alguns banhistas saltam das pedras, mas com a maré baixa vale tomar cuidado com as formações rochosas que ficam escondidas. A praia tem aproximadamente um quilômetro de areias fofas e claras, que vai da Pedra do Leme até a Avenida Princesa Isabel, onde começa Copacabana.

Pepino: Fica ao sul da Praia de São Conrado, possui pista de pouso para os praticantes de voo livre que saltam da rampa da Pedra Bonita. Em boa parte do ano as águas estão poluídas, mas nada que afaste os surfistas de suas fortes ondas.

Prainha: Poluição ali nem pensar. Sem dúvida, uma das preferidas dos surfistas, com ondas perfeitas. Se quiser arrumar inimigo por lá, basta jogar lixo na areia. É cercada por morros cobertos por Mata Atlântica, tem um manancial de água doce e está localizada em Área da Proteção Ambiental.

É um verdadeiro paraíso. Tem aproximadamente 150 metros de extensão, areias claras, e águas cristalinas.

Recreio dos Bandeirantes: Com boas ondas para a prática do surfe, a enseada é separada da Barra da Tijuca por uma grande pedra. Tem aproximadamente 2 km de extensão, areias claras e águas próprias para o banho, mas muito disputada nos finais de semana. Tenha muita paciência para estacionar o carro e nunca divida o espaço com os “pranchões”.

São Conrado: Também conhecida como Praia da Gávea, começa no término da Avenida Niemeyer, estendendo-se por um quilômetro até o túnel São Conrado. Tem aproximadamente 1 km de extensão, com areias claras e fofas e águas verdes.

Tem boas ondas para o surfe e infraestrutura turística.

Urca: Tem aproximadamente 100 metros de extensão, com águas calmas e poluídas, mesmo assim fica sempre lotada nos fins de semana e é mais frequentada por famílias e praticantes de esportes.

Vidigal: Com 600 metros de extensão, areias claras e fofas, a praia está localizada na encosta do Morro Dois Irmãos seu acesso é feito pela Avenida Niemeyer. Pouco frequentada e com águas normalmente próprias para o banho.

– Infraestrutura

O Rio de Janeiro é servido por um enorme e moderno Aeroporto Internacional, que recebe vôos de todas as partes do Brasil e do mundo. A cidade dispõe também de uma excelente rede hoteleira e de agentes de turismo. Há um bom sistema de comunicações e instalações apropriadas para eventos de todo o porte, como foi a Conferência Mundial sobre Meio Ambiente realizada pela ONU em 1992, que reuniu quase uma centena de chefes de estado no maior centro de convenções da cidade.

Fonte: Embratur – Empresa Brasileira de Turismo

O Rio fica dourado no final da tarde… Mas só se visto do Pão de Açúcar ou do Corcovado

~ O Rio fica dourado no final da tarde… ~

Mas só se visto do Pão de Açúcar ou do Corcovado

O percurso do Bondinho do Pão de Açúcar é tão rápido que precisa mesmo ser feito em duas etapas. Primeiro você sobe no bonde na Praia Vermelha e, três minutos depois, chega ao Morro da Urca. Dá para gastar metade do cartão de memória de sua câmera digital só com as imagens da Baía de Guanabara a 220 metros de altura. Mas guarde espaço para mais fotos, porque o melhor está por vir: mais três minutos de bondinho e você estará no Pão de Açúcar. A 400 metros acima do mar, a vista é de 360 graus, com as montanhas, baías, ilhas e enseadas a seus pés, o Cristo Redentor à sua direita e a cidade do Rio de Janeiro por trás de seus ombros.

Passeio obrigatório para os estrangeiros na cidade, a linha do bondinho do Pão de Açúcar é quase centenária (a comemoração será em 2012). Mas não há motivo para pânico: as cabines são novas, trazidas da Suíça em 2008, com boa acústica, circulação de ar e mais espaço interno para os 65 passageiros. Prepare-se para filas, já que 2 000 pessoas em média fazem o passeio, “obrigatório” para os estrangeiros. Como o bondinho não sobe antes das 8 da manhã, aproveite para subir no melhor horário disponível: o entardecer. Nesse período, dá para apreciar a Baía de Guanabara cobrindo-se de luz dourada.

Não há estrangeiro que venha ao Rio de Janeiro e perca a vista da cidade do alto do Corcovado, pois a visita não é para ver somente o Cristo Redentor, Mas também para admirar a Baía de Guanabara. Do alto dos 700 metros do Corcovado, em local estratégico, recuado da costa (o que amplia ainda mais a visão), o Rio se descortina em todo o esplendor. O visual de montanhas fica ainda mais bonito por volta de 10h30 da manhã, quando o nevoeiro já se dissipou e o Sol ainda não é forte o suficiente para deixar tudo esbranquiçado. Vá de novo à noite, para ver a cidade iluminada e enxergar outro Rio de Janeiro.

De carro, e só durante o dia, dá para apreciar outro ângulo do Rio de Janeiro: o da Vista Chinesa, dentro do Parque Nacional da Tijuca. A 380 metros de altura, em estilo oriental (incluindo um pitoresco pagode), o mirante exibe a Lagoa, a orla do Rio e o Corcovado.

~ Rio tem o céu mais azul do mundo, segundo pesquisa ~

RIO — O céu do Rio é o mais bonito do mundo. O título foi alcançado numa concorrência com outros 19 lugares em seis continentes. O resultado se deve a um trabalho científico que tem, também, ingredientes subjetivos. Afinal, estamos falando de beleza. A produtora de televisão Anya Hohnbaum, uma escocesa de 28 anos, foi quem executou a pesquisa. Ela viajou pelo mundo durante 72 dias, depois de ter sido escolhida entre dois mil candidatos para a odisséia numa promoção do site The Blue Sky Explorer (o “explorador do céu azul”). A aventura começou em abril de 2006.

A parte científica foi realizada com a ajuda da equipe de radiação ótica do National Physical Laboratory (NPL), que fica em Londres, na Inglaterra. O chefe do departamento, Nigel Fox, coordenou o trabalho. Todos os lugares que Anya Honbaum visitou passaram por uma bateria de testes, como cor do céu, claridade, luminosidade e densidade das nuvens. Para traduzir os resultados científicos para os viajantes, também foi feita uma classificação de comportamento. Na pesquisa foi registrada a reação do visitante ao vislumbrar o céu de determinado destino. Essa reação, normalmente de admiração, era medida e comparada em seus graus de intensidade.

“A cor dos objetos depende de como eles são iluminados, de como eles absorvem ou rebatem a luz, e de como seus olhos e cérebro reagem”, explica Fox.

O NPL foi consultado sobre o procedimento adequado para assegurar que os testes fossem consistentes e de acordo com os padrões internacionais. Para isso, foi usado um instrumento ótico capaz de medir luz e cor de cada local. Como todas as cores são baseadas nas três cores primárias (vermelho, verde e azul), o vencedor do céu mais azul do mundo foi o que mais aguçou os receptores de azul do olho humano. Se já tem uma paisagem de fazer cair o queixo de visitantes de qualquer lugar, o Rio se torna ainda mais irresistível em dias de céu claro. E muito azul.

Confira o ranking dos países pesquisados:

1. Rio de Janeiro, Brasil
2. Bay of Islands, Nova Zelândia
3. Ayers Rock, Austrália
4. Denarau Island, Fiji
5.Cape Town, África do Sul
6. Antananarivo, Madagascar
7. Karumba, Ilhas Maldivas
8.Tóquio, Japão
9. Castell Dinas Bran, Gales
10. Long Beach, Los Angeles (E.U.A)
11. Santa Lucia, Caribe
12. Dublin, Irlanda
13. Marraquech, Marrocos
14. Juneau, Alaska
15. Phnom Penh, Camboja
16. Amalfi Coast, Itália
17. Koh Samui, Tailândia
18. Edinburgh, Escócia
19. Giza, Egito
20. Cornuália, Grã-Bretanha

~ Rio de Janeiro será a sede dos Jogos Olímpicos de 2016 ~

O Rio de Janeiro será a sede dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016. A decisão histórica de levar a maior competição esportiva do planeta para a América do Sul pela primeira vez foi anunciada pelo Comitê Olímpico Internacional, durante a 121ª Assembleia da entidade, realizada em Copenhague, na Dinamarca. Na disputa, considerada a mais acirrada de todos os tempos, o Rio superou Chicago (Estados Unidos), Madri (Espanha) e Tóquio (Japão).

Acesse a página oficial da candidatura

~ Cidade Maravilhosa ~

~ Niterói ~

O lugar parece ter sido criado para servir como cenário de histórias com personagens românticos, aventureiros, destemidos e sensíveis. São paisagens coloridas, bordadas por praias e montanhas, banhadas por um clima tropical estonteante, e gente bonita.

Ligada ao Rio de Janeiro por ponte de 14 quilômetros sobre a Baía de Guanabara, Niterói apresenta um perfil altamente positivo, com uma boa qualidade de vida. Bons serviços, atividades culturais e esportivas, arquitetura privilegiada, arte e história… Um lugar único!

Praia de Icaraí, Niterói – Copyright by Neltur

– Praias para todos os gostos

Não é à toa que encontramos pessoas bronzeadas e com ótimo astral. Quanto charme! Niterói esbanja beleza em suas praias.

Comece pela Baía de Guanabara, praias boas para caminhar, repleta de bares. Depois conheça a região oceânica, as mais frequentadas apresentam águas azuis e recantos especiais com vasta vegetação. O surf é praticado com ondulações perfeitas.

Beba muita água e não esqueça o protetor solar, ponha um sorriso no rosto e pronto. Deixe os encantos de Niterói tomarem conta…

– Confira abaixo o roteiro das praias de Niterói

Icaraí: É a praia mais famosa da cidade. O panorama é privilegiado, com um belo visual para os dois maiores cartões-postais do Rio: O Cristo Redentor e o Pão de Açúcar.

Piratininga: A maior das praias oceânicas de Niterói. No meio do praião as famílias se reúnem, enquanto no início e no fim surfistas disputam espaço no mar com banhistas. Mas, se você quiser parar na prainha, esteja preparado para participar de um verdadeiro baile funk. Ali é comum ver motoristas com seus supersons estrondando o ouvido de todo mundo. Outro problema é em relação à segurança, como a praia é muito grande, muitas vezes o policiamento não é suficiente. A vantagem é que é muito fácil de se estacionar pela orla e os restaurantes sempre têm peixe fresco.

Camboinhas: Com águas calmas de um verde exuberante, Camboinhas é muito procurada por amantes da pesca e velejadores. Com quiosques em toda a orla, a praia oferece facilidades como chuveiros de água doce. É sem dúvida a preferida para quem quer levar a família. Às vezes, é preciso tomar um pouco mais de cuidado com os jets que sempre se aproximam muito da zona de banho.

Praia do Sossego: Pouco conhecida até mesmo pelos niteroienses, fica escondida entre duas elevações rochosas (a Ponta dos Morros e a Ponta Pé de Boi), ambas com vegetação de arbustos e cactos. Nos fundos da praia, que tem apenas 250 metros de extensão, a vegetação é abundante. Para chegar lá tem que se fazer uma trilha, mas o visual certamente compensa qualquer esforço.

Itacoatiara: Com águas frias e agitadas, Itacoatiara é a preferida dos surfistas e da geração saúde. Possui uma pequena enseada com águas calmas, fincada entre pedras e a vegetação da Serra da Tiririca, local perfeito para o lazer. Foi ali que nasceu o (hoje famoso) surf e de montanha, quando se desce correndo das pedras que cercam o costão. O sanduíche natural é confiável e na praia não se vê furtos nem confusão. Quem aparecer por lá não pode deixar de ver o fim de tarde, um dos mais lindos de Niterói.

Itaipu: Praia sem preconceito. Esta é a melhor definição para Itaipu, muito procurada por visitantes de municípios vizinhos. Antiga vila de pescadores, Itaipu é repleta de restaurantes à beira-mar. É muito comum ver sambas e pagodes nos quiosques, o que garante a diversão do pós-praia.

Itaipuaçu: É a mais distante de todas as praias da Região Oceânica. Muito extensa, ali não se vê aglomerações. Porém, é considerada uma das mais perigosas com correntes marítimas e ondas fortes. O preço da comida é o mais barato de todas as praias. Quem chegar lá não pode deixar de parar no mirante e ver a bela paisagem.

~ Calçadão da Praia de Icaraí ~

O calçadão que contorna a orla da Praia de Icaraí é o mais charmoso e badalado da cidade, com gente correndo, caminhando e passeando com a família. A maior parte dos frequentadores mora no bairro e no Ingá. Durante o dia, e especialmente no pôr-do-sol, a vista a partir da praia para o outro lado da baía de Guanabara é deslumbrante: Pão de Açúcar, Corcovado e o contorno dos morros do Rio. E ao lado, pode-se fotografar o museu de Arte Contemporânea de um ótimo ângulo.

~ Boardwalk of Icarai Beach ~

The boardwalk that skirts the edge of Icarai Beach is the most charming and bustling city with people running, walking and walking with the family. Most of the regulars live in the neighborhood and Ingá. During the day, and especially in the setting of the sun, the view from the beach to the other side of Guanabara Bay is breathtaking: Sugar Loaf, Corcovado and the contour of the hills of Rio. And besides, you can photograph the Museum of Contemporary Art of a great angle.

– Desfrute Niterói por inteiro

Sua beleza e charme vão além dos quilômetros de orla marítima. Um crescente polo de moda tem despertado o interesse das grandes marcas em se instalar aqui, além de destacar profissionais renomados na área. Você pode encontrar na cidade aquilo que procura para completar seu passeio.

É nessa procura que descobrimos o quanto Niterói é chique, seja nas ruas do Centro, com uma rede tradicional de estabelecimentos comerciais, na Região Oceânica ou na Zona Sul, onde concentram-se as grandes griffes, em moderníssimas lojas de rua ou em shoppings centers oferecendo opções de compras das mais variadas e boas programações.

Esse requinte é evidenciado ainda mais quando se percorre ruas como a Gavião Peixoto ou Moreira César, esta sem dúvida a rua mais charmosa da cidade.

Faça sua escolha e boas compras!

– A arte em vários estilos

Niterói passeia pelo tempo com bom gosto e uma capacidade criativa de dar inveja as maiores cidades do País. Arte em vários estilos, hábitos e costumes preservados e uma arquitetura de impressionante beleza estética e importância.

Abra um sorriso e aproveite…

~ Museu de Arte Contemporânea dá o tom de Niterói ~

O toque especial de Niterói, que também tem suas praias ao longo de uma orla marítima bonita, é dado pelo Museu de Arte Contemporânea, concebido por Oscar Niemeyer. O museu se projeta sobre o mirante da Boa Viagem “como uma flor”, como explica uma placa, com as palavras do arquiteto, colocada ali.

Histórica, Niterói é uma opção de passeio para quem vai ao Rio depois da praia, do Corcovado e do Pão de Açúcar. É só dar uma esticadela de 14 km pela ponte Rio-Niterói e de lá avistar o Rio de Janeiro a partir de uma perspectiva diferente.

O MAC lembra um disco voador erguido sobre uma base cilíndrica de nove metros de diâmetro. A leveza da construção é realçada pelo espelho d’água, de 817 m2 de superfície, que cerca a base.

Os visitantes acabam passando bastante tempo do lado de fora, admirando a arquitetura e tirando fotografias antes de subir a rampa sinuosa que leva à entrada.

As obras expostas ali dentro acabam perdendo um pouco de destaque para a imponência da construção.

Do MAC é possível avistar os muros da fortaleza de Santa Cruz, outro ponto turístico também bastante procurado em Niterói.

Construída em 1567 com uma mistura de granito e óleo de baleia, a fortaleza fica no final de uma rua muito estreita, onde mal passam dois carros lado a lado.

As muralhas abrigam uma prisão e uma capela de 1612. Como ela fica bem na entrada da baía de Guanabara, é gostoso sentar do lado de fora da fortaleza, no gramado, ao lado de canhões, e observar a paisagem, que inclui o Pão de Açúcar, no final da tarde.

Leave a Reply