~ Templo da Rainha Hatshepsut ~


~ A Rainha Faraó ~

~ MAAT-KA-RA – A verdade é a palavra do deus Sol ~

~ Arnaldo Poesia ~

Luxor, às margens do Rio Nilo, é um dos centros turísticos mais importantes do Egito. Anualmente, a cidade, de mais de 180 mil habitantes e que se chamava Tebas na Antigüidade, recebe turistas que chegam em busca de valiosas obras arquitetônicas que remontam a milhares de anos. Entre as ruínas mais procuradas está o templo de Amenofis III, construído em 1380 a.C. e que foi ampliado por Tutankhamon e Ramsés II.

O Templo de Hatshepsut foi projetado pelo arquiteto do reino, Senen-Mut, que era ministro e, possivelmente, amante da rainha. A construção é composta de três terraços, cujas paredes são adornadas com belos relevos. Algumas dessas obras ainda estão conservadas em suas cores originais.

A rainha foi enterrada no Vale das Rainhas. Ela era a quinta governante egípcia da XVIII Dinastia, filha de Tutmosis I e da rainha Ahmose. Como era comum nas famílias reais do Egito Antigo, Hatshepsut casou-se com seu meio-irmão, Tutmosis II, que tinha um filho de outra mulher. Quando Tutmosis II morreu, em 1479 a.C., seu filho, Tutmosis III, foi nomeado para o trono. Mas Hatshepsut tornou-se regente porque o herdeiro era criança.

Os dois governaram juntos até 1473 a.C., quando Hatshepsut declarou-se faraó. Vestida como homem, ela administrou a nação com total apoio do alto sacerdote de Amon, Hapuseneb, e de outros dignitários do reino.

Hatshepsut morreu em 1458 a.C., quando Tutmosis III liderou uma revolta para reaver seu trono faraônico.

~ Galeria de Fotos do Templo de Hatshepsut ~

O plano consiste de três terraços sustentados por colunas, com duas rampas. A horizontal e a vertical, que também dão acesso ao rochedo que fica por detrás do templo.

   

Esquerda e centro: a primeira rampa leva ao primeiro terraço; a segunda ao pátio intermediário e ao terraço mais alto que fica acima 

       

A rampa que leva ao terraço mais alto

Esse pátio é decorado com estatuetas de Osíris, que pertenceram a rainha. Muitas dessas estatuetas foram destruídas por Tutmosis III.

O terraço de Punt (O segundo terraço na ala sul)

Duas carreiras de colunas que sustentam os terraços. Relevos nas paredes mostram a expedição naval a Punt, um lugar exótico, atualmente a Etiópia ou o nordeste da Somália.

   

Os textos gravados nas paredes descrevem as viagens, os presentes oferecidos aos reis de Punt, os produtos exportados, incluindo canela, plantas, ébano, prata, ouro, madeiras aromáticas, incenso e mirra, e vários animais.

Esquerda: As casas dos habitantes tinham acesso por escadas de madeira; centro: um detalhe em zigue-zague representando o movimento das águas; direita: o chefe de uma expedição com seus soldados, oferecendo presentes

       

A Rainha de Punt num detalhe em cinza (abaixo, à direita)

A obesa rainha recebendo honrarias. Descrições dessa compleição física são raras na arte egípcia.

   


Arqueólogos anunciaram ter identificado a
múmia da rainha Hatshepsut, a governante
mais poderosa do Egito antigo.

múmia de Hatshepsut

Notícias relacionadas:

Tumba com cinco múmias é descoberta no Egito
Mostra do Museu Britânico revela segredos de múmia
Mumificação no Egito Antigo
Pirâmide de 4,3 mil anos achada no Egito é túmulo da rainha Sesheshet

__________
Copyright ©
Arnaldo Poesia
Bibliografia sobre a galeria de fotos: Alberto Siliotti. Guide to the Valley of the Kings. New York: Barnes and Noble, 1997.
Tradução de
Arnaldo Poesia.

  • Os direitos autorais das fotos referentes ao Templo da Rainha Hatshepsut pertencem a Mary Ann Sullivan

Starnews 2001