Galleria Borghese

Galeria Barroco - Arnaldo Poesia



~ Arte, Literatura, Pintura e Música Barrocas ~

Num sentido amplo, o barroco pode ser visto como uma tendência constante do espírito humano e, consequentemente, da cultura, presente em todas as manifestações de nossa civilização, sobretudo na história da arte. Representa o apelo ao emocional, ou dramático, em oposição à tendência do intelecto a estabilizar e fixar autoritariamente princípios rígidos. Assim pode-se falar em barroco helenístico, barroco do período medieval tardio, etc.: momentos de libertação de formas, em oposição a estruturas artísticas anteriormente disciplinadas, comedidas, “clássicas”. Em sentido estrito, o Barroco é um fenômeno artístico e literário estreitamente vinculado à Contrarreforma, o que parece reforçado pelo fato de que seu maior desenvolvimento se observou nos países católicos (embora tivesse também acontecido em países protestantes).

 

~ O Êxtase de Santa Teresa ~

Seria, assim, uma reação espiritualista ao espírito renascentista imbuído de racionalismo. Ainda que, antes da Contrarreforma, já tivessem aparecidos traços de estilo barroco, não há duvida de que a religiosidade constitui um dos traços predominantes desse movimento, mas uma religiosidade ligada a uma visão do mundo aberta, combinando misticismo e sensualidade. A designação “barroca” para a arte só lhe foi atribuída muito mais tarde e tinha, a principio, sentido pejorativo. O Neoclassicismo do séc. XVIII rejeitava o Barroco como algo sem regras, caprichoso, carente de lógica, um estilo extravagante. Muitos chegaram mesmo a considerar o Barroco um estilo patológico, uma onda de monstruosidade e mau gosto. A revalorização ocorreu no séc. XIX, por via da rejeição dos cânones neoclássicos.

O Barroco renovou completamente a iconografia e as formas da arte sacra, mas foi também uma arte da Corte, refletindo o absolutismo dos príncipes no fausto da decoração. Ao contrário do Renascimento, o Barroco caracteriza-se pela assimetria, pela noção do espaço infinito e do movimento contínuo, pelo desejo de tocar os sentidos e despertar emoções. Isso é obtido por meio de efeitos de luz e movimento, de formas em expansão que se manifestam: em arquitetura, pelo emprego da ordem colossal, das curvas e contracurvas, pelas súbitas interrupções, pelos esquemas formais repetidos; em escultura, pelo gosto da torção, das figuras aladas, planejamentos tumultuados e sobretudo pela dramaticidade; em pintura, por composições em diagonal, jogos de perspectiva e de encurtamento, pela obsessiva transmissão de sensações de movimento e instabilidade. Mas, principalmente, as diferentes artes tendem a se fundir na unidade de uma espécie de espetáculo, cujo dinamismo e colorido brilho se traduzem em exaltação.

O Barroco encontrou sua primeira expressão em Roma, entre os arquitetos encarregados de terminar a obra de Michelangelo: Maderno, depois Bernini, seguidos por Borromini; são criações de Bernini, o baldaquino da basílica de São Pedro, o Êxtase de Santa Teresa (considerado por muitos a expressão máxima da escultura barroca), a fonte dos Quatro Rios; Lanfranco, Pietro da Cortona e P. Pozzo cobriram os tetos de voos celestes em trompe-l`oeil. Esse estilo espalhou-se pela Itália: Piemonte (Guarini, Juvarra); Nápoles (L. Giordano); Gênova, Lecce, Sicília (séc. XVIII) e Veneza (Longhena e Tiepolo). Da Itália alcançou a Boêmia, Áustria, Alemanha, Países Baixos do sul, a península Ibérica e suas colônias na América. As capitais germânicas desse estilo foram: Praga (com os Dientzenhofer); Viena (Fischer von Erlach, L von Hildebrandt); Munique (com os Asam e os Cuvilliés). A Bélgica construiu no séc. XVII igrejas que lembram a estrutura e o élan vertical do gótico. Escultores como H. F. Verbruggen aí instalaram seus grandiosos púlpitos, e Rubens, o pintor barroco por excelência, ali colocou seu universo de formas cheias de energia.

Baldaquino de Bernini – O Altar-mor assenta diretamente sobre o túmulo de São Pedro. Tradicionalmente, apenas o Papa celebra missa nesse altar, abrigado por um baldaquino de bronze com 29 metros de altura, obra de Gian Lorenzo Bernini.

Na Espanha, triunfou o barroco churrigueresco (criado pelo arquiteto José Churriguera), com as suas grinaldas, frutos, flores, medalhões e volutas que decoravam profusamente as fachadas. A escultura espanhola do Barroco foi inteiramente consagrada à produção de imagens religiosas, em geral de madeira, pintadas em cores naturais muitas vezes articuladas, vestidas com trajes suntuosos e ornamentadas de jóias. A exuberância do Barroco espanhol implantou-se no México, Peru, Equador, Bolívia e outros países da América Latina com mais ou menos vigor. Em Portugal, entre os mais belos exemplos do Barroco estão a igreja de São Pedro dos Clérigos (iniciada em 1723) o palácio de Queluz (1758-1790) e a basílica da Estrela (1779-!790); o convento de Mafra, construído na época de D. João V (1706-1750), embora com planta inspirada no Escorial, apresenta-se bastante barroco na sobrecarga arquitetural. Na França, o Barroco penetrou por volta de 1630 (Vouet, Le Vau) e triunfou nas artes decorativas, um século mais tarde, com o rocaille (embrechado) e rococó, estilos derivados do Barroco.

No Brasil, o Barroco expressou o período mais efervescente da colônia; teve seu apogeu no século XVIII, perdurando, no século seguinte, até a chegada da Missão Francesa (1816). Ricamente representado nas igrejas da Bahia, Rio de Janeiro, Pernambuco e, sobretudo, de Minas, o Barroco brasileiro impôs seu próprio ritmo de difusão, alterando e misturando na arquitetura os estilos maneirista, barroco e rococó. A produção mais importante é a da escola mineira, cujo florescimento é favorecido pelo ciclo do ouro. Mais original do que a produção litorânea, diretamente vinculada aos modelos europeus (em Salvador, a igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, 1736, em pedra de lioz trazida de Portugal, e o mosteiro de São Bento, inspirado na igreja de Gesú, de Roma), o barroco mineiro inovou na estrutura e na forma. Sem romper com a temática religiosa, a escultura de Aleijadinho expressa uma forte alusão popular e emprega materiais brasileiros, como a pedra-sabão. Manoel da Costa Athayde pintou no teto da igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto, uma madona mulata cercada de anjinhos igualmente pardos.

Mestres de obra, artífices e artesãos negros, índios e mulatos enriquecem de mitologias naturalistas e símbolos pagãos os meios expressivos importados da Europa. Manifestando-se menos nas fachadas e muito mais nos interiores cobertos de ouro, o Barroco brasileiro corresponde às primeiras afirmações da nacionalidade e, pelo menos durante algum tempo, exprime tanto os interesses das camadas dominantes quanto a criatividade popular. As igrejas das Ordens Terceiras (São Francisco de Assis, Nossa Senhora do Carmo) reúnem os brancos das classes dirigentes; as irmandades (de Nossa Senhora do Rosário, das Mercês, da Redenção dos Cativos) congregam os pretos escravos ou agrupam os mulatos que exercem ofícios mecânicos (irmandade de São José, do Cordão de São Francisco). Assim, se a monumentalidade dos templos reforça o poder da Igreja e o fausto da Coroa, as imagens que o povo venera evocam secretas relações com os orixás africanos cultuados pelos artífices entalhadores.

Além de Aleijadinho e de Manoel da Costa Athayde, outros artistas importantes do período são os pintores Caetano da Costa Coelho, no Rio de Janeiro, e José Joaquim da Rocha, na Bahia; o pintor e arquiteto Frei Jesuíno do Monte Carmelo, em São Paulo; Mestre Valentim, escultor, entalhador e arquiteto ativo, no Rio de Janeiro, etc.


Assunção da Virgem Maria (1723)
Obra de Egid Quirin Asam
Mosteiro de Rohr, Alemanha

~ Literatura Barroca ~

Durante muito tempo o Barroco definiu apenas as artes plásticas. O conceito aplicado à literatura surgiu apenas no final do séc. XIX com os trabalhos dos teóricos alemães Jakob Burkardt e, sobretudo, Heinrich Wöfflin. O termo "barroco" abrange em literatura uma serie de denominações. Em Portugal e Espanha, seiscentismo, conceptismo (ou conceitismo), cultismo (ou culteranismo); na Itália, marinismo e seiscentismo; na França, preciosismo; na Inglaterra, enfuísmo; e, na Alemanha, silesianismo.

São características do Barroco literário: linguagem pomposa, imagens sutis e frequentemente obscuras; musicalidade, descritivismo, exploração das possibilidades fonéticas da língua, objetivando salientar os contrastes conceituais; utilização do paradoxo, criando um estilo rebuscado, onde predominam os jogos de palavras, oposições e idéias abstratas; procura de imagens e sugestões fora da realidade; virtuosismo; amplo uso de alegorias, hipérboles, paralelismos, repetições, anáforas e antíteses; exacerbação dos sentimentos e gosto do requinte; estilo sentencioso e preocupação moralizante; ritmo sincopado e metáforas sinuosas, espiraladas, ligando imagens complexas, tais como as volutas que caracterizam o estilo barroco na arquitetura.

Principais representantes: Góngora, Quevedo, Cervantes, Lope de Vega, Calderón de la Barca, Tirso de Molina (Espanha); Tasso, Marino, Guarini, Della Porta (Itália); Montaigne, Pascal, Corneille, Racine, Boileau (França); Lily, Donne, Bacon (Inglaterra); Silesius, Gryphius, Opitz (Alemanha); Sóror Mariana de la Cruz, Hojeda, Balbuena, Caviedas (América espanhola).

Em Portugal, o Barroco desenvolveu-se entre 1580 e 1680, cobrindo portanto todo o período em que o país esteve sob a dominação espanhola (1580 e 1640). Fortemente marcado pelo cultismo e conceptismo, teve como principais representantes: Rodrigues Lobo, Manuel de Melo, Tomás de Noronha, Sóror Violante do Céu (poesia); Frei Luís de Souza, Padre Bernardes, Padre Bartolomeu do Quental e Frei Antônio das Chagas (ficção).

No Brasil, o Barroco literário manifestou-se na prosa laudatória, na poesia e na oratória sacra e teve como principais representantes: Gregório de Mattos Guerra (poeta), Manuel Botelho de Oliveira, Rocha Pita e padre Antônio Vieira (orador sacro).

Assim como a reabilitação do Barroco foi um acontecimento tardio, graças, sobretudo, ao trabalho de Heinrich Wosfflin (Renascimento e Barroco, 1888; Conceitos Fundamentais da História da Arte, 1915), a poesia de Gregório de Matos também esteve muito tempo relegada ao esquecimento. O soneto "A Conceição Imaculada de Maria Santíssima", mostra o estilo inconfundível deste poeta.

A Conceição Imaculada de Maria Santíssima

Como na cova tenebrosa, e escura,
A quem abriu o Original pecado,
Se o próprio Deus a mão vos tinha dado;
Podeis vós cair, ó virgem pura?
Nem Deus, que o bem das almas só procura,
De todo vendo o mundo arruinado,
Permitiria a desgraça haver entrado,
Donde havia sair nossa ventura.
Nasce a rosa de espinhos coroada
Mas se é pelos espinhos assistida,
Não é pelos espinhos magoada.
Bela Rosa, ó virgem esclarecida!
Se entre a culpa se vê, fostes criada,
Pela culpa não fostes ofendida.

~ Música Barroca ~

O período barroco corresponde à criação de gêneros novos (oratório, cantata, concerto) e à utilização de uma escrita baseada no diálogo (estilo concertante com baixo contínuo) e ornamentação e marcada pelo gosto pela improvisação e pelo preciosismo. Os concertos de Vivaldi e numerosas obras de J.S. Bach são típicos desse período.

A música barroca é toda música ocidental correlacionada com a época cultural homônima na Europa, que vai desde o surgimento da ópera por Claudio Monteverdi no século XVII, até à morte de Johann Sebastian Bach, em 1750.

Trata-se de uma das épocas musicais de maior extensão, fecunda, revolucionária e importante da música ocidental, e provavelmente também a mais influente. As características mais importantes são o uso do baixo contínuo, do contraponto e da harmonia tonal, em oposição aos modos gregorianos até então vigente. Na realidade, trata-se do aproveitamento de dois modos: o modo jônico (modo "maior") e o modo eólio (modo "menor").

Do Período Barroco na música surgiu o desenvolvimento tonal, como os tons dissonantes por dentro das escalas diatônicas como fundação para as modulações dentro de uma mesma peça musical; enquanto em períodos anteriores, usava-se um único modo para uma composição inteira causando um fluir incidentalmente consonante e homogêneo da polifonia. Durante a música barroca, os compositores e intérpretes usaram ornamentação musical mais elaboradas e ao máximo, nunca usada tanto antes ou mais tarde noutros períodos, para elaborar suas idéias; fizeram mudanças indispensáveis na notação musical, e desenvolveram técnicas novas instrumentais, assim como novos instrumentos. A música, no Barroco, expandiu em tamanho, variedade e complexidade de performance instrumental da época, além de também estabelecer inúmeras formas musicais novas, como a ópera. Inúmeros termos e conceitos deste Período ainda são usados até hoje.

O apogeu da música instrumental

Pela primeira vez na história, música e instrumento estão em perfeita igualdade. Nesse período a instrumentação atinge sua primeira maturidade e grande florescimento. Pela primeira vez surgem gêneros musicais puramente instrumentais, como a suíte e o concerto. Nesta época surge também o virtuosismo, que explora ao máximo o instrumento musical. Johann Sebastian Bach e Dietrich Buxtehude foram os maiores virtuoses do órgão. Jean-Philippe Rameau, Domenico Scarlatti e François Couperin eram virtuoses do cravo. Antonio Vivaldi e Arcangelo Corelli eram virtuoses no violino.

A época das orquestras de câmara

O barroco foi a época de máximo desenvolvimento de instrumentos como o cravo e o órgão, mas também surgiram várias peças para grupos pequenos de instrumentos, que iam de três até nove instrumentistas.

Particularidades do estilo

Desenvolvimento extenso do uso da polifonia e contraponto . Os acordes tem uma ordem hierárquica em suas progressões tonais, tanto funcional como cadencial, que definem a tonalidade progressiva do barroco musical. A harmonia era acompanhada e definida pelo basso continuo criando uma necessidade do intérprete de ser um virtuoso na arte do período para não deixar a musicalidade se desviar do aspecto tonal da época — visto que quase sempre o basso continuo não era escrito e chamava pela improvisação, dando então o dom de virtuosidade a quem melhor improvisasse.

O contraponto era intenso, especialmente na forma de tema e variação. A modulação tonal na música barroca é frequente. Devido a incapacidade física de um cravo prover dinâmicas variadas a arte da música barroca voltava a habilidade da performance em termos de articulação. Entre outras particularidades dos estilos desenvolvidos na música barroca, incluem-se:

  • Monodia, homofonia com uma voz diferente cantando por cima do acompanhamento, como nas árias italianas; expressões mais dramáticas, como na ópera.
  • Combinações de instrumentações e vozes mais variadas em conjunto a oratórios e cantatas.
  • Notes inégales (Francês para "notas desiguais") usadas. Técnica barroca que envolvia o uso de notas pontuadas que eram usadas para substituir notas não pontuadas, dentro de um mesmo tempo que alternavam entre duração de valores longos e curtos.
  • Ária (curta peça cantada em uma cantata, ou instrumental na suíte).
  • Ritornello (estilo que contém breve passagens instrumentais entre os versos cantados).
  • Concertante (o estilo que contrasta entre a orquestra e os instrumentos solos, ou pequeno grupo de instrumentistas);
    instrumentação precisa anotada (no período anterior, a Renascença, a partitura raramente listava os instrumentos).
  • Notação musical escrita idiomaticamente melhor para cada instrumento específico.
  • Notação musical para interpretação virtuosa, tanto instrumental como vocal.
  • Ornamentação
  • Desenvolvimento profuso na tonalidade da música ocidental (escala maior e menor).
  • Cadenza, uma seção ad lib nas cadências das partituras para o virtuoso improvisar.

  • Estilos

    Compositores barrocos escreveram em diversos gêneros musicais; incluem-se diversos estilos inovadores para a época. A ópera foi inventada na Renascença, mas foi no Barroco que Alessandro Scarlatti, Handel e outros desenvolveram grandes obras. O oratório chegou a grande popularidade com Bach e Handel; ambos a opera e o oratório usavam forma musical semelhantes, tal como o uso da ária da capo.

    Na música litúrgica, a Missa e os motetos não foram tão importantes, mas a cantata prosperou, principalmente nos trabalhos de Bach e outros compositores protestantes. Música para o organista virtuoso floriu, com o uso das tocatas, fugas, e outros trabalhos..

    Sonatas instrumentais e suítes para dança foram escritas para instrumentos individuais, para grupos de música de câmara, e pequenas orquestras. O concerto emergiu, tanto na forma para o intérprete solista como para orquestra, assim como o concerto groso qual um grupo pequeno de solistas criam simultaneamente um contraste com um grupo maior que intercalam suas partes com perguntas e respostas do diálogo melódico. A Abertura francesa com o seu típico contraste de seções rápidas e outras lentas, adicionaram grandeza à muitas cortes nas quais eram apresentadas.

    As obras para teclado eram algumas vezes escritas para grupos maiores. Novamente, existe um grande número de obras de Bach escrita tanto para os instrumentos solos, como concertos e o mesmo tema se apresenta em arranjos de concerto para orquestra, ou suíte. Grandes trabalhos de Bach que culminaram na música da Idade Barroca inclui: o Cravo 'bem temperado', as Variações Goldberg, e a Arte da Fuga.

    ooooo00000ooooo

    A primeira notícia de conjunto de músicos profissionais no Brasil é de 1717, formado para a chegada do conde de Assumar à vila de São João del Rei. Desde então, a música sempre foi uma atividade remunerada por todo o ciclo do ouro.

    O seminário de Mariana foi o núcleo formador de músicos, seminaristas e leigos, instruídos por padres da região. Ecos dessa produção só ocorreram pelos idos de 1770, com José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita, que alcançou grande sucesso com sua vasta obra marcada pelas influências de Mozart e Pergolesi. Os compositores procuravam estar informados sobre a música européia e graças ao trabalho dos copistas, a divulgação da música se deu por toda a região de Minas Gerais.

    Pode-se afirmar que em Minas Gerais, no século XVIII, existiu um profissionalismo musical maior que no resto do continente americano. Essa produção artística, no entanto, sempre dependeu da vitalidade e das condições econômicas das agremiações religiosas e seus mantenedores. Portanto, quando se esgotou o ouro das minas e dos rios esgotou-se também o ciclo cultural artístico barroco.

    Todavia, no Brasil, não se justifica o uso da expressão barroco mineiro para designar a música do fim do século XVIII, que pode ser chamada de pré-clássica, pois revela influência decisiva de compositores como Mozart, Haydn e Pergolesi.

    ~ Arnaldo Poesia ~

    ~ Pinturas Barrocas de Autores Brasileiros ~

    Anônimo, Cena da Paixão de Cristo, século XVIII. Óleo sobre tela,
    203 x 152 cm. Coleção particular.

    Anônimo, Martírio da Virgem Santa Quitéria, século XVIII.
    Têmpera sobre madeira, 248 x 166 cm. Arquidiocese de Olinda e Recife,
    Convento de Santo Antônio, Pinacoteca de Igarassu.

    Mais sobre pintura barroca no Brasil

    ~ Esculturas Barrocas de Autores Brasileiros ~

    Anônimo, São Francisco recebendo a Estigma (chagas), século XVII.
    Terracota policromada, 105 x 65 x 47 cm. Museu de Arte Sacra de São Paulo.

    Anônimo, Santo Elesbão, século XVIII. Madeira dourada e policromada, 120 x 105 x 50 cm.
    Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional/Ministério de Cultura, Pernambuco.

    Santa Ana e Nossa Senhora Menina
    Santa Ana e Nossa Senhora Menina
    Madeira policromada, alt. 0,86m. Séc. XVIII
    Museu de Arte Sacra da Bahia

    Santa Ana, mãe da Virgem Maria e esposa de São Joaquim, vem sempre acompanhada de sua filha.
    Nesta representação, as duas caminham de mãos dadas e Nossa Senhora segura seu livro.

    ~ Altar-mor da Igreja de São Bento, Olinda, Pernambuco ~

    Esta magnífica estrutura encontra-se na igreja de São Bento, Olinda, Pernambuco. A igreja foi construída em 1760 e o altar foi criado entre 1783 e 1786. Entalhado e dourado em cedro, o ornato e o estilo florido do altar pertence ao último período do Rococó, fase do Barroco. Mede 13.6 metros de altura, por 7.9 metros de largura, e 4.5 metros em profundidade.


    ~ Esculturas Barrocas de Bernini ~

    Gian Lorenzo Bernini
    Apolo e Dafne

    Gian Lorenzo Bernini
    Rei Davi

    Gian Lorenzo Bernini
    Plutão e Prosérpina

    Gian Lorenzo Bernini
    A verdade revelada

            

    Gian Lorenzo Bernini,
    Trono de São Pedro

    A personalidade de Bernini dominou durante o apogeu do barroco romano. Foi construtor de cenários magníficos para os recintos pontifícios. São criações de Bernini, o baldaquino da Basílica de São Pedro, o Êxtase de Santa Teresa (considerado por muitos a expressão máxima da escultura barroca), a fonte dos Quatro Rios. Dinâmico, conseguiu uma síntese ambiciosa de todas as artes: arquitetura, pintura e escultura.

    – Arnaldo Poesia


    __________
    Bibliografia: Estudos Sobre o Barroco, Arnaldo Poesia – Niterói – Edição do Autor, 1984.

    © Arnaldo Poesia, Le Monde, de Paris, Quinzaine Littéraire, 1997/2010.
    Tous droits de traduction et d’adaptation réservés pour tous pays.



    Exposição: Luz e Sombra na Pintura Italiana
    entre o Renascimento e o Barroco



  • Barroco Mineiro

  • Conclusões Básicas Sobre a Obra de Aleijadinho

  • Estilo Rococó

  • Barroco Brasileiro

  • Arte Barroca na Itália

  • O Barroco como estilo cultural

  • Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência (Rio de Janeiro)

    Não deixe de ver

  • Museu do Aleijadinho

  • Os Cristos de Mestre Aleijadinho

  • Museu de Arte Sacra de São Paulo

    Links Sobre o Assunto

  • Capelas do Santuário

  • Igreja de São Francisco de Assis

  • Nossa Senhora do Rosário

  • Photo Show

    Outros Trabalhos Meus

  • Carta a Luma ... e outras palavras de amor

  • Conto & Verso

  • Suave Encanto - A certeza de um bem-querer

  • A História de Cupido e Psique

  • Safo, a Vênus de Lesbos

  • Compartilhe:

    Publicar artigo no Facebook Facebook Publicar artigo no Twitter Twitter Publicar artigo no Orkut Orkut

    Starnews 2001

    Copyright 1996/2012 © Starnews 2001
    All rights reserved.